Ninguém quer saber da sua comida no Réveillon. Faça como os outros: beba

Por Marcos Nogueira
Ceviche é fácil e delicioso em uma noite quente: uma boa opção para o Réveillon, mas que requer cuidados ao servir (foto: Antonio Rodrigues/Divulgação)

Ceia de Réveillon? Deixa disso. Ninguém neste país se importa com as delícias que você planeja preparar para a passagem do ano. Deixe a criatividade gastronômica para 2018 – se perigar, para depois do Carnaval. Agora, o foco é na bebida.

Mas há de se reconhecer que todos precisamos de alimentação nestes últimos dias de 2017.

Para a noite da virada, tenho algumas sugestões. A mesa do Réveillon deve ser informal. Eu simpatizo (apenas nesta ocasião) com o esquema de bufê: a comida posta no início da noite e mantida ao longo da festa, sem um jantar propriamente dito.

Pense na praticidade da coisa: a noite de Ano Novo não é tempo de ficar suando na cozinha. De nada adianta pular sete ondas se a roupa branca novinha está com pizzas de transpiração sob as axilas.

Se o pessoal estiver no pique, faça um churrasco. É uma solução em que todo mundo – e ninguém, ao mesmo tempo – é responsável pela comida. Mas dá para ser mais fácil ainda.

Compre comida pronta. Coisas que possam ser servidas frias: pães, queijos, tortas, saladas substanciosas (salada de macarrão é uma ótima pedida), conservas.

Evite alimentos de alta perecibilidade. Ceviche é uma delícia numa noite quente, além de ser fácil de fazer. Mas tome muito cuidado se for preparar e servir: peixe muito fresco, mãos muito limpas e porções pequenas à mesa, enquanto o restante fica na segurança da geladeira.

Mais que tudo, tente planejar bem a noite. Se for para pegar filas quilométricas, que seja para garantir a cerveja, o gelo e a água mineral para a primeira manhã do ano.